O Mês do Orgulho é um marco poderoso para abrangir o apoio aos grupos LGBTQ+, mas o que não pode haver são retrocessos quando o mês acaba. É uma luta diária. Em The Elder Scrolls Online, junho foi colorido e uma celebração da cultura queer em paradas por toda Morrowind. A celebração foi organizada pelo streamer Locke da Twitch e outros, mas apoiada pela desenvolvedora Zenimax, que forneceu cópias de Necrom para distribuição e uma postagem no blog oficial detalhando os horários das paradas e quem os realizaria.

No entanto, menos de um mês após o ocorrido, a desenvolvedora transgênero Leona Faren revelou que foi expulsa da Zenimax em 2022. Ela alega que o estúdio a enganou, a expôs sem seu consentimento e reteve suas cirurgias de afirmação de gênero como chantagem. Simultaneamente, membros proeminentes da comunidade do jogo compartilharam relatos crescentes de preconceito desenfreado e descontrolado, apontando que a Zenimax demonstra pouca vontade de conter essa onda, o que a distancia da comunidade que havia prometido publicamente apoiar.

Descobri que a Zenimax não faz nada em relação à proteção dos streamers. Eu, como um streamer abertamente LGBTQIA+ por anos […] fui assediado. E nada foi feito, mesmo com provas esmagadoras.”

Locke

Streamers estão no meio de uma campanha de ódio na qual fanáticos estão fazendo photoshop neles para se parecerem com Adolf Hitler e deliberadamente alterando o gênero deles. Durante as Paradas do Orgulho, a política da empresa era para que os jogadores não se envolvessem com preconceituosos. Os jogadores foram solicitados a fazer capturas de tela, ignorá-los com funções in-game e registrar um relatório após o evento, garantindo que seriam punidos sem prejudicar as comemorações.

Locke tomou nota dos homofóbicos no chat durante as paradas e ficou de olho neles nas semanas seguintes, mas descobriu que, infelizmente, eles ainda estavam presentes e interagindo com outros jogadores. Ou eles não foram punidos ou levaram um tapa no pulso – apesar de tentar atrapalhar um evento que celebrava a comunidade LGBTQ+, parece que os trolls conseguiram continuar inabaláveis. Quando Locke pressionou a Zenimax sobre esse assunto, ele foi informado de que ela não divulgava informações sobre punições.

Depois que Faren afirmou que foi expulsa da empresa depois de ir para o RH por suposta transfobia, alguém fez uma postagem no fórum oficial do The Elder Scrolls Online compartilhando um vídeo sobre a notícia. Isso já acumulou mais de 22 páginas de comentários, a maioria de natureza transfóbica, alguns em graus extremos. Apesar de os moderadores serem marcados e os streamers denunciarem o tópico nas mídias sociais, ele ainda está ativo, aumentando a preocupação de que os fanáticos da comunidade sejam encorajados pela falta de ação.

A falta de ação da Zenimax afastou seus fãs queers e fortaleceu a determinação dos preconceituosos, tornando o jogo um lugar muito menos acolhedor do que era um ano atrás. Embora Locke e vários outros streamers sejam gratos pela ajuda durante o Pride e pelo excelente trabalho que seus gerentes de comunidade fazem, a falta de resposta do público a esses problemas contínuos obscureceu esse bom trabalho. Com a Zenimax ainda não comentando as alegações de Faren, não é de admirar que os jogadores LGBTQ+ se sintam deixados de lado.

Fonte: The Gamer