Em uma seção de perguntas e respostas durante a conferência Digital Dragons na Polônia, Swen Vincke, CEO da Larian Studios, falou sobre a cultura de crunch no estúdio, reconhecendo que a equipe, às vezes, “tinha que fazer um pouco de crunch” quando “aconteciam coisas que [o estúdio] não previu“. Ele confirmou que a equipe não era “excessivamente” obrigada a trabalhar, e foi “certamente menos em Baldur’s Gate 3 do que fizemos no passado”, mas que “seria uma mentira dizer que não” fizeram isso em outros jogos.

Não apertamos demais”, disse Vincke, “mas tivemos que fazer um pouco de crise. E acho que, para ser honesto, você sempre terá um pouco quando estiver tentando terminar algo, especialmente quando há tanta complexidade que precisa ser reunida.

Vincke acrescentou ainda que qualquer pessoa que tivesse que trabalhar até tarde era paga pelas horas extras – muitos estúdios supostamente não o fazem – e apenas “muito, muito, muito raramente” as pessoas trabalhariam no fim de semana ou depois das 20h. A Larian também confirmou recentemente que seu próximo jogo não será Baldur’s Gate 4, DLC ou qualquer outra coisa relacionada a Dungeons and Dragons, mas anunciou que tem outros jogos em desenvolvimento.

Fonte: Eurogamer