Not For a Broadcast VR é um jogo inovador que combina simulação, gerenciamento e sátira política. Desenvolvido pela NotGames e publicado pela tinyBuild, o jogo, lançado oficialmente no mês passado para o PSVR2, coloca o jogador no controle de um programa de notícias de televisão em um mundo fictício, onde cada decisão impacta significativamente a sociedade e a percepção pública.

Contexto e Temática

O jogo se passa em um governo autoritário, onde a manipulação da mídia é uma ferramenta chave. Essa ambientação permite a exploração de temas como censura, manipulação de mídia e ética jornalística, apresentados de forma satírica, mas com um tom sombrio e crítico, refletindo o poder da mídia na sociedade contemporânea.

O jogador, como produtor de notícias, edita e transmite notícias ao vivo, escolhendo segmentos, propagandas e a apresentação das notícias. O jogo se torna mais complexo e desafiador a cada nível, introduzindo novos elementos, como gerenciamento de relações com personagens e resolução de imprevistos técnicos. Além disso, o jogo exige do jogador decisões morais difíceis, refletindo dilemas reais da produção de notícias.

Screenshot_1
not-for-broadcast-1
ss_66b3558415b7c2281c313ad3bf94c879ea6972a9.1920x1080-1
operation-arms-race-not-for-broadcast-vr
IMG_4265-scaled
previous arrow
next arrow

Jogabilidade

O game nos permite mergulhar em uma intensa jornada de gerenciamento de um programa de notícias em um Reino Unido dos anos 1980 alternativo. Me vi na pele de um editor de notícias, enfrentando a pressão constante de tomar decisões rápidas. A dinâmica do jogo realmente me manteve alerta: desde escolher os melhores ângulos de câmera até censurar palavras indesejadas e lidar com as mais diversas interferências. Cada segmento de notícias me colocou à prova, com a satisfação do público e a performance geral sendo critérios de avaliação. Fiquei impressionado com a maneira como minhas escolhas afetavam diretamente o rumo da narrativa e a percepção pública dos acontecimentos.

Além disso, o jogo evoluiu através de capítulos emocionantes, onde cada decisão parecia ter um impacto duradouro, não apenas imediato. Entre as transmissões, fui confrontado com dilemas pessoais e familiares que adicionaram uma camada extra de emoção e moralidade à experiência. Lutar contra adversidades no estúdio, que variavam de tempestades a ondas de calor, foi um desafio único que trouxe ainda mais realismo e tensão ao jogo. Essa mistura de gerenciamento de notícias ao vivo com escolhas pessoais complexas fez de Not For a Broadcast uma experiência de jogo verdadeiramente envolvente e memorável, tudo isso somado a imersão do óculos de realidade virtual.

Conclusão

Not For a Broadcast oferece uma experiência imersiva em um mundo onde a mídia é uma ferramenta poderosa. Equilibrando humor, tensão e crítica social, o jogo se destaca como uma experiência rica e reflexiva, ideal para jogadores que buscam um desafio tanto em habilidades de gerenciamento quanto em perspectivas éticas e morais.

É um jogo que eu recomendo para quem busca imersão e esteja realmente a fim de mergulhar em uma narrativa exploratória política com muitos detalhes. Serão horas e horas de conteúdo que vão requerer muita compreensão e sobretudo atenção.

Not For a Broadcast VR
Veredito
É um jogo que eu recomendo para quem busca imersão e esteja realmente a fim de mergulhar em uma narrativa exploratória política com muitos detalhes. Serão horas e horas de conteúdo que vão requerer muita compreensão e sobretudo atenção.
História/Conceito
90
Gameplay
70
Diversão
70
Design
80
Som/Trilha
80
Prós
História boa e imersiva
Boa adaptação para realidade virtual
Jogo legendado em português do Brasil
Mecânicas interessantes
Contras
Comandos repetitivos
Alguns programas de tv chatos e grandes
78

[Nota do Editor: Not For a Broadcast VR foi analisado a partir da sua versão para PlayStation VR 2. A cópia do jogo foi gentilmente cedida pela Stride PR em nome da tinyBuild para avaliação.]