Baldur’s Gate 3 continua um sucesso de público e crítica. O jogo de RPG com forte base em Dungeons & Dragons da Larian Studios está em acesso antecipado há anos e a relação com a comunidade foi o que moldou o jogo para o lançamento oficial para PC na Steam em 3 de agosto, incluíndo detalhes do inclusivo criador de personagens.

O site Gayming Mag conversou com os Escritores Sênior John Corcoran e Adrienne Law, além da Designer Narrativa de Origem Sênior Baudelaire Welch, sobre essa relação com a comunidade e como isso deu forma ao jogo.

A contribuição da comunidade é um pilar importante do nosso processo, mas é equilibrado com a habilidade, experiência e paixão da nossa equipe e com o rigor do nosso processo iterativo, onde experimentamos continuamente como tornar o jogo o melhor possível. Ouvimos ativamente, mas também temos que confiar nos nossos próprios instintos e, em última análise, viver com as nossas próprias decisões.

John Corcoran

John também comenta sobre as variações de tipos de corpos, pronomes e genitálias disponíveis no criador de personagem, afirmando que “a liberdade de autoexpressão e autorrealização sempre foi a intenção“.

Queria permitir que os jogadores fizessem seus personagens personalizados brilharem tanto quanto qualquer origem personalizada que lhes apresentamos, e isso tinha que incluir a capacidade de criar a identidade de seu personagem de uma forma que tivesse substância e reatividade. O facto de a comunidade também procurar as mesmas características foi muito animador para nós, pois sabíamos que estávamos certos em persegui-lo.

Em relação aos personagens romanceáveis do jogo e como gênero não influencia nas escolhas do jogador, Adrienne Law comenta falando sobre as influencias do RPG de mesa que foi base para o jogo:

DnD é inerentemente movido pela imaginação do jogador e, na edição de mesa, os jogadores têm a liberdade de flertar e se apaixonar como quiserem. Isso é algo que queríamos replicar tanto quanto possível, portanto, embora seja uma abordagem criativa igualmente válida para personagens românticos virem com suas próprias preferências, a pansexualidade de nossos personagens de origem não apenas parece fiel a eles e a seus valores, mas também também ao espírito de autoexpressão imaginativa e autoexploração que está no cerne do DnD.

Falando por mim, posso dizer que os videojogos (e os role-playing games em particular) foram alguns dos primeiros locais onde encontrei um espaço para expressar silenciosamente este lado da minha própria identidade e, como resultado, foram também os primeiros locais onde experimentei aceitação disso. Espero que nosso jogo ofereça aos outros a mesma sensação de serem vistos e amados exatamente pelo que são. Nossos companheiros podem ter seus pontos fracos e fracos, mas nesse aspecto queríamos que eles estivessem cem por cento presentes na jornada.

Veja mais sobre a conversa da Larian com o site Gayming Mag neste link, em inglês.

Fonte: Gayming Mag